(11) 3205-2041

O planejamento estratégico no RH é crucial para uma gestão eficaz dos recursos humanos. Com ele, é possível aproveitar oportunidades existentes e preparar o setor para enfrentar diversos desafios. Isso beneficia o RH, a empresa e os talentos que nela atuam.

Para se planejar adequadamente, é preciso considerar as mudanças do mercado, como a quarta revolução industrial e a automação de antigos processos. Além disso, é necessário considerar as forças e fraquezas do próprio setor de gestão de pessoas, utilizando-as como vantagens no plano estratégico.

Pensando em tudo isso, criamos este artigo especialmente para você. Hoje, vamos entender os 8 principais benefícios do planejamento estratégico no RH. Continue lendo e fique por dentro do assunto. Boa leitura!

1. Atração de profissionais talentosos

Uma empresa nada mais é do que um coletivo humano, isto é, um conjunto de pessoas reunidas pela busca de um mesmo objetivo. Para alcançá-lo, é essencial contar com profissionais talentosos, motivados e comprometidos.

Um dos primeiros benefícios do planejamento estratégico no RH é a atração de novos talentos, tornando a marca do empregador mais atraente. Um bom plano define a forma como novos candidatos serão atraídos, engajados ao longo do processo de recrutamento e selecionados pelo profissional de RH.

Esse é um grande benefício, afinal, globalmente, 38% dos empregadores têm dificuldades em preencher postos de trabalho. Para piorar a situação, o Brasil está entre os cinco piores países para encontrar e contratar mão de obra qualificada.

2. Retenção e redução do turnover

Turnover é o nome dado à evasão de talentos — ou melhor: ao número de profissionais que deixa o quadro de funcionários em determinado período. Quando elevado, esse índice representa perda de capital intelectual e financeiro, além de influenciar negativamente a imagem do negócio.

Um bom planejamento é realizado com base em diagnósticos internos, buscando-se entender melhor os funcionários e os resultados da gestão de pessoas. Logo, é possível criar planos mais consistentes para a retenção dos talentos, assim como para a motivação e o alinhamento de cada um com o objetivo geral da organização.

3. Aumento da produtividade diária

Há diversos estudos sobre o nível de produtividade dentro das empresas, sendo que a maioria deles oferece resultados desanimadores. Uma recente pesquisa, veiculada pela revista Exame, mostra que apenas 39% do expediente de trabalho é produtivo. Todo o restante é perdido — como com conversas paralelas ou redes sociais, por exemplo.

A definição de metas desafiadoras, que incentivem a melhor performance do time, é outro ponto recorrente na criação da estratégia. Quando desenvolvidas para a equipe de RH e os demais setores da empresa, tais metas despertam a produtividade tanto dos colaboradores como dos líderes de equipe.

4. Redução de custos operacionais

O planejamento estratégico também contribui para a redução de custos operacionais na gestão de pessoas. Afinal, os processos diários tornam-se mais eficazes, eliminando o refugo de materiais, erros e retrabalhos.

Um ótimo exemplo é a substituição das tarefas manuais pelo trabalho de softwares robôs, chamado de automação ou RPA. Departamentos de RH que investem nessa questão podem reduzir o tempo gasto nas operações e o número de erros, enquanto focam ainda mais em atividades estratégicas, melhorando o desempenho.

Os custos com a gestão de pessoas vêm, especialmente, do turnover de funcionários, gerando despesas com rescisões e gastos com novas contratações. Um plano adequado pode reduzi-los significativamente, tornando a empresa mais “enxuta”.

5. Acompanhamento de indicadores-chave de desempenho

É cada vez mais importante que as organizações e seus respectivos setores, em especial o RH, movam-se com base em métricas e indicadores de desempenho. Assim, é possível ter uma visão sistêmica e agir estrategicamente.

Na área de RH, existem diversos indicadores que podem/devem ser acompanhados. Alguns dos principais são:

  • nível de absenteísmo;
  • satisfação dos funcionários;
  • turnover;
  • vagas fechadas no prazo;
  • produtividade;
  • metas atingidas.

O planejamento estratégico no RH torna necessários o levantamento e o acompanhamento consistente de diversos indicadores. Só assim é possível criar um plano atual e realista, capaz de beneficiar a companhia e seus colaboradores.

6. Inovação nos processos diários

Quando o RH atua de forma estratégica, pode observar oportunidades ou ameaças que existem no mercado. Como consequência, são implementados métodos ou tecnologias inovadoras, para que os desafios sejam superados e as oportunidades, aproveitadas.

Dentre as inovações decorrentes do planejamento estratégico, é possível citar: a construção de uma marca empregadora, o desenvolvimento de um RH digital e a inserção de tecnologias de automação aos processos. Assim, é possível realizar mais com menos, otimizar a produtividade e beneficiar toda a empresa.

Organizações e setores de RH que não inovam, implantando tecnologias contemporâneas, estão fadadas ao insucesso. Sem isso, é muito difícil manter a competitividade — e impossível estar na vanguarda do mercado.

7. Melhoria da comunicação interna empresarial

A comunicação dentro das companhias é um importante elemento. Sem ela, é inviável alinhar as operações diárias aos objetivos genéricos, assim como manter o time suficientemente informado para entregar resultados impressionantes.

O planejamento estratégico em RH considera a eficácia da comunicação, avaliando se ela está acontecendo de forma fluida e levando as informações aos lugares adequados. Os atuais canais de diálogo, o comprometimento dos líderes e a eficácia dos fluxos ascendentes ou descendentes do diálogo são levados em conta.

Também são definidas as ações necessárias para otimizar a comunicação dentro da empresa. Geralmente, depende-se da implementação de novos canais de diálogo e da conscientização do público interno, especialmente dos líderes, sobre o assunto.

8. Liberação de talentos para atividades nobres

Para finalizar, é importante destacar que uma boa estratégia no RH motiva os funcionários na realização de atividades mais nobres, que beneficiem os clientes e a sociedade em geral, despertando o interesse e a criatividade da equipe.

Quando uma empresa, por intermédio de seus talentos, estende seus benefícios ao público externo, torna-se mais competitiva, pois desenvolve uma marca sólida e respeitada. Logo, os resultados também podem ser vistos em questões financeiras, de crescimento e de longevidade no mercado.

Como se pode ver, são inúmeros os benefícios do planejamento estratégico no RH e as tecnologias de automações vigentes dão sua contribuição para suportar estes desafios, resolvendo problemas que podem fugir do fator humano: volume operacional x produtividade. Além de favorecer a organização, contribui-se para satisfazer os atuais funcionários, atrair novos talentos e desenvolver uma imagem sólida no mercado.

Gostou deste conteúdo? Aproveite para aprender mais sobre gestão de pessoas, negócios e tecnologia: assine nossa newsletter e receba todas as novidades diretamente em seu e-mail!

Pin It on Pinterest