(11) 3205-2041

Ao pensar no futuro da empresa alguns gestores e gestoras podem, enganosamente, acreditar que a Transformação Digital é uma questão a se pensar para o futuro.

No outro oposto, outras pessoas pensam que já estamos no mundo de robôs e que a mudança é para ontem.

Embora as duas linhas de pensamento não estejam, de todo, equivocadas é no equilíbrio entre este dois extremos que podemos pensar quais as possibilidades para a digitalização dos serviços de uma operação de atendimento.

Mesmo que ainda não estejamos entre os robôs futuristas, a inteligência artificial já está presente em alguns mecanismos que, sem ao menos percebermos, já usamos em nossos dispositivos conectados.

Se você tem um dispositivo Android, por exemplo, deve notar que o Google avisa quanto tempo você levará para chegar ao seu trabalho, de acordo com o horário em que você precisa estar lá e com todas as contingências do tráfego nas grandes metrópoles.

O Facebook, com base em seu histórico de localização, emite um alerta para que você leve um guarda-chuva para se proteger.

Transformação digital é mudança vigente que exige planejamento para implantação

Esta tecnologia, no entanto, ainda não foi capaz de substituir os vínculos humanos, especialmente quando falamos do contexto de uma organização.

Muitas soluções apontam para novas ferramentas que façam a interação com o consumidor, mas, para muitos clientes é importante que a interface com um agente seja realizada.

Entretanto, esta tendência tem mudado e as novas gerações, a cada dia, se mostram mais autossuficientes, buscando sempre encontrar soluções por conta própria em ferramentas como YouTube, aplicativos para celular ou mesmo em portais de internet.

Para o gestor cabe o seguinte aforismo: embora as grandes potencialidades se apresentem no futuro, a transformação digital já começou.

Isto implica em um aprofundamento radical da presença das tecnologias digitais em todas as esferas da vida: de uma geladeira conectada a uma montagem industrial de automóveis.

Este processo, ocorrendo a pleno vapor, é chamado por alguns especialistas de Quarta Revolução Industrial.

Seguir planejamento em etapas é crucial para sucesso de transição digital

Embora o nome Revolução traga em si um caráter de disrupção, quando falamos dessa nova fase industrial o que está implícito não é uma mudança geral de toda a tecnologia que temos à nossa disposição.

Trata-se de uma integração de sistemas que foram pensados durante a fase primeira da Revolução Digital.

Todo o processo é feito de modo a conectar sistemas em novos paradigmas que visem aumento de velocidade, alcance e impacto nos resultados.

Tal mudança ocorre em um caráter de transição, aliviando custos pesados e prolongando a vida útil de antigas ferramentas que a operação tem em mãos.

No contexto da organizações atuais a transformação digital precisa seguir um planejamento bem definido, a fim de sobreviver em meio a concorrência que, necessariamente, já busca pelas novas soluções digitais.

Neste planejamento o foco deve estar sempre em torno das demandas atuais e futuras de um consumidor que se conecta com a marca tanto em lojas físicas quanto em espaços virtuais como redes sociais, chatbots, aplicativos e portais de internet.

É o perfil que o mercado hoje denomina como omnichannel.

RPA é ferramenta de integração entre sistemas legados e futuro das operações de atendimento

Para esta complexa tarefa contamos com ferramentas como o RPA (Robotic Process Automation ou Automação Robótica dos Processos) cujo grande expoente no mercado nacional é a iCaptor.

Trata-se de uma plataforma de gerenciamento de aplicações para automação com softwares robôs.

Esta solução é emergente deste momento de Transformação Digital, uma vez que substitui atividades humanas repetitivas pela inteligência programada de robôs que respondem de forma humanizada a solicitações de agentes de atendimento ou do consumidor final.

A grande vantagem das ferramentas de RPA fornecidas pela iCaptor está em sua rápida implementação que dispensa projetos longos e de custos elevado.

A automação neste viés é pensada para facilitar a implantação em curtíssimo prazo, sem dispensar os atuais sistemas em uso na operação.

A ideia é, além de aumentar a vida útil dos softwares presentes no cotidiano de atendimento, torná-los mais eficientes e adaptáveis a diferentes situações.

 

A Automação Robótica dos Processos também assegura a eliminação de erros nos processos e inconsistências no preenchimento de formulários em telas de sistemas, planilhas e registros em arquivos, os quais compõem as transações nos sistemas legados.

É vista como uma Força de Trabalho Virtual que permite a contenção de custos, eficiência e rapidez nos processos e ganhos nos índices de satisfação de colaboradores e consumidores finais.

Se você deseja obter mais informações sobre a iCaptor, baixe o ebook Revolucione a Estratégia Digital da sua Empresa e saiba como transformar a sua organização.

Não permita que a complexidade de TI atrase sua estratégia digital

 

 

Pin It on Pinterest